Pesquisa compara sites das 50 maiores empresas

Trabalho da Cross Content aponta problemas de falta de atualização

Os sites das maiores empresas brasileiras apresentam um nível de design e conteúdo bastante satisfatório, mas ainda pecam em uma série de quesitos, como desatualização das informações, dificuldade de busca ou consulta a arquivos e falta de instrumentos de acessibilidade para deficientes físicos e visuais. Estes são os principais resultados de uma pesquisa inédita realizada pela Cross Content Comunicação Integrada nos sites das 50 maiores companhias brasileiras.

Para avaliar o grau de facilidade de uso e compreensão de conteúdo dos sites das maiores empresas do Brasil, a Cross Content analisou 117 aspectos da home page, envolvendo critérios de compreensão da interface (usabilidade) e compreensão de conteúdo. Os quesitos – definidos de acordo com ampla bibliografia sobre o assunto e também com base na experiência da empresa em projetos de Internet – permitem comparar a presença na web de cada companhia, revelando pontos fracos e fortes.

De acordo com o cumprimento das regras relativas a cada quesito, os sites receberam notas numa escala de 0 a 10. A nota média geral ficou em 6,8, o que mostra que as home pages das principais empresas brasileiras podem ser consideradas bem-sucedidas, mas têm grande espaço para melhorias

Entre os temas que atingiram as melhores notas, destacam-se os que avaliaram a apresentação de produtos e serviços (8,4), design (8,1) e navegação (7,7). As piores notas apareceram em acessibilidade (1,3), busca e informação sobre o site (4,3) e comunicação com a imprensa (5,3).

A pesquisa mostra também que, apesar de se preocuparem com a apresentação de seus produtos na Internet, as empresas ainda têm falhas graves na manutenção das páginas, o que pode acabar frustrando o internauta. Em 30% das homes pages analisadas havia ao menos um link quebrado, ou remetendo para páginas erradas ou até para textos “falsos” (textos sem sentido usados como modelo durante os testes de design das páginas).

Outro problema é a falta de atualização das informações: 27% dos sites apresentaram essa falha – incluindo uma empresa que anunciava uma promoção de Natal em pleno mês de fevereiro.

Também vale destacar que, mesmo se tratando de sites com volume considerável de conteúdo, apenas 43% deles apresentam caixa de busca na home. Além disso, 57% das empresas têm usado o formato de um banner para conteúdos não publicitários da página, o que pode gerar confusão no internauta.

Metodologia – A pesquisa foi realizada a partir de análise das home pages das 50 empresas do país, segundo o ranking “As 500 maiores empresas do Brasil” do especial Melhores e Maiores da Revista Exame de julho/2002. A avaliação, realizada entre os meses de fevereiro e março de 2003, considerou 117 critérios em cada página. Para cada critério, observou-se se a recomendação estava sendo cumprida integralmente (nota 1), não cumprida (nota zero), parcialmente cumprida (nota 0,5), ou se aquele item não se aplicava ao site em questão. A partir dos itens que se aplicavam ao site em estudo, obteve-se a média aritmética.

Os resultados finais levam em conta 49 empresas presentes na amostra. Uma empresa não foi analisada, já que não apresentava site no ar (sua URL exibia apenas um aviso dizendo que em breve o site seria reformulado).

Os 117 itens analisados estavam divididos em dois grupos, por suas vez classificados em doze subgrupos. São eles:

Compreensão de conteúdo:Apresentação, Produtos e serviços, Institucional, Notícias e sala de imprensa, Relacionamento, Estilo de conteúdo.

Compreensão de interface:Navegação, Acessibilidade, URLs, Links, Busca e informações sobre o site, Design.