Webdocumentário traz olhar dos fotógrafos das comunidades populares sobre a realidade do Rio

Nos noticiários, as favelas são muitas vezes associadas a ambientes de violência, ou à falta de infraestrutura e de serviços públicos. Para quem vive nesses e, no entanto, seu significado vai muito além dos estereótipos.

Um grupo de jovens fotógrafos moradores do Complexo da Maré, Zona Norte do Rio de Janeiro, ocupa-se em narrar sua vida num cenário de contrastes. Em uma das cidades mais bonitas do mundo, mas em um ambiente cercado por contradições, eles encontram poesia, cor, luz e esperança em cada clique. Retratam as alegrias do dia a dia e as dificuldades de quem convive com condições urbanas muitas vezes precárias. Trata-se de um Rio de Janeiro longe das imagens dos cartões postais tradicionais. Mas, por isso mesmo, muito mais real e humano.

O trabalho de três desses fotógrafos, suas vidas e seus sonhos são o tema do webdocumentário Rio de Janeiro – Autorretrato, de Marcelo Bauer, que acaba de ser lançado e está disponível para visualização em www.riodejaneiroautorretrato.com.br.

Embora ambientada no Rio de Janeiro, a história aborda uma questão comum a todas as metrópoles dos países em desenvolvimento: como os moradores dos bairros populares de uma grande cidade veem a sua realidade – e o que fazem para mudá-la?

Por meio da autorrepresentação, os fotógrafos AF Rodrigues, Jaqueline Felix e Ratão Diniz trazem outro olhar e colocam em discussão a imagem que os próprios habitantes do Rio de Janeiro têm da sua cidade.

Rio de Janeiro – Autorretrato é uma criação multimídia que inclui vídeos, fotos, textos, gráficos e mapas. Trata-se de uma obra não linear, ou seja, os conteúdos podem ser vistos em qualquer ordem sem prejuízo da compreensão da mensagem.

A estrutura narrativa está dividida em quatro capítulos que correspondem aos principais temas das fotografias: “Vida Cotidiana”, “Cidade”, “Pessoas” e “Sonhos”.

Em cada capítulo, o webdocumentário mescla duas linguagens visuais. A primeira inclui o uso de vídeos e envolve a observação do dia a dia dos fotógrafos em seu ambiente de trabalho, ou seja, na Maré e em outras comunidades populares do Rio de Janeiro. A segunda abordagem estética envolve o uso de fotos produzidas por eles. Em entrevistas, os fotógrafos comentam as imagens e contam como enxergam o “seu” Rio de Janeiro e a sua comunidade.
Nesse processo, os fotógrafos fazem uma reflexão sobre o ato de fotografar e sobre a importância que isso tem para eles e para a comunidade. Afinal, a documentação do dia a dia da favela tem poder de trazer mais conscientização e alterar o cotidiano dos envolvidos?

Rio de Janeiro – Autorretrato foi contemplado com a Bolsa Funarte de Reflexão Crítica e Produção Cultural para Internet 2010. Também foi um dos projetos selecionados do European Days Co-Production Forum 2010, em Turim (Itália).

Rio de Janeiro – Autorretrato
Direção e produção: Marcelo Bauer.
Direção de fotografia: Sérgio Moraes.
Edição: Giovanni Francischelli e Lucian Rosa.
Trilha original: Tiago Rocha e Luisão Cavalcante.
Som direto: Paulo Rogério Galdino Paes e Claudinho Reis.
Design web: Tiago C.
Textos: Lívia Roncolato.
Para assistir: www.riodejaneiroautorretrato.com.br.